Nine Months

Nine Months

[...] A história de amor se alicerça numa paisagem nublada, digna dos filmes de Angelopoulos. Entretanto, não se trata da Grécia enevoada, mas da Hungria esfumaçada, lugar onde nem a câmera nem os corpos deslizam com a morosidade solene que há no trânsito dos Angelopoulos. Pois estes são caminhos esburacados. Os planos até mantêm camadas espaciais propícias a uma locomoção profunda, mas o tempo não titubeia em lascá-los, fazendo-os tijolos disformes, tal qual os que preenchem a casa que o casal reforma para uma nova vida. Pedregosa, essa casa se ergue contra uma paisagem que pouco tem de natural, já que um horizonte industrial se abre para produzir aquela que, provavelmente, seja a única matéria volátil nesse filme – a fumaça das chaminés.

Texto completo na Pós-créditos.