The Lighthouse

The Lighthouse ★★★★★

O Farol chegará aos cinemas brasileiros exatos 100 anos após O Gabinete do Dr. Caligari, um dos marcos do horror e do expressionismo alemão. Com inspirações claras no movimento que teve seu auge nas décadas de 20 e 30, Robert Eggers não baseia seu virtuosismo em pura vaidade estética. A embalagem de O Farol vai além de uma homenagem ao expressionismo ou a cineastas de outras épocas, de Fritz Lang a Alfred Hitchcock, há conteúdo próprio nesta história que flerta entre o horror de gênero e o drama psicológico com boas doses de fantasia e sobrenatural.

Início do século XX. Thomas Wake (Willem Dafoe), responsável pelo farol de uma ilha isolada, contrata o jovem Ephraim Winslow (Robert Pattinson) para substituir o ajudante anterior e colaborar nas tarefas diárias. No entanto, o acesso ao farol é mantido fechado ao novato, que se torna cada vez mais curioso com este espaço privado. Enquanto os dois homens se conhecem e se provocam, Ephraim fica obcecado em descobrir o que acontece naquele espaço fechado, ao mesmo tempo em que fenômenos estranhos começam a acontecer ao seu redor.

Se não fosse pela sinopse, seria difícil definir em que época se passa a história. A ilha do farol parece existir além dos confins do mundo. O farol é o sol que brilha noite e dia, é o fruto proibido, o local cobiçado. As gaivotas, que insistem em provocar o personagem de Pattinson, são de aparência frágil, mas extremamente amedrontadoras quando juntas. A chuva torrencial e as ondas que se chocam contra as pedras da praia são a força da natureza tentando invadir o local e limpá-lo da podridão que o assola. Tudo soa metafórico ao mesmo tempo que uma espécie de purgatório àqueles personagens.

Dafoe e Pattinson estão excelentes, sujos, mórbidos, ensandecidos e sedentos pelo gozo. Dafoe corrobora sua excelente fase ao emplacar o terceiro grande papel de sua carreira num espaço de três anos - após Projeto Flórida e No Portal da Eternidade - esbravejando uma loucura que nos atormenta com seus olhos esbugalhados e barba saliente que Eggers faz questão de preencher a tela. Já Pattinson, embora seja engolido diversas vezes pelo monstro que é Dafoe, não deixa quaisquer dúvidas de que é um dos melhores atores de sua geração, entre reações menos teatralizadas que as do companheiro de ilha, envolto numa espiral de sentimentos que o perturbam cada vez mais.

A fotografia em preto e branco evoca esta aura de loucura, sonhos e imaginação, o horror é potencializado não só pela razão de aspecto que nos trancafia num espaço mínimo, mas também a cada som emitido e gritado, seja das gaivotas, da chuva, do choque das ondas, da sirene que berra incessantemente, ou até mesmo das flatulências de Wake. O Farol é pura arte, puro deleite estético, visual e sonoro. Uma perturbadora e imersiva experiência que deixa o espectador chocado do início ao fim lhe propondo diversas interpretações. Vá preparado.

Angelo liked these reviews

All