Favorite films

  • Terrorizers
  • Island of Loves
  • Silvestre
  • Bronco Billy

Recent activity

All
  • Terrorizers

    ★★★★★

  • Island of Loves

    ★★★★★

  • Antoinette in the Cévennes

    ★★★½

  • Mad God

    ★★★

Recent reviews

More
  • After Blue (Dirty Paradise)

    After Blue (Dirty Paradise)

    ★★★★

    Bem dentro do cinema ideossincrático dos realizadores do Manifesto Flame (Mandico, Yann González, Caroline Poggi e Jonathan Vigel), mas, dada a liberdade que emprestam aos seus filmes, bem único e original. O uso de cores, a libido e o desejo sempre à espreita, o jogo de sobreposições e a inabalável fé no poder da fantasia, sem pudor do grotesco e do absurdo. Mandico cria literalmente um universo próprio para o seu filme, um western em ácidos, uma obra que contrasta…

  • The Tsugua Diaries

    The Tsugua Diaries

    ★★★★

    O marmelo podre é o filme numa cápsula. Começamos por vê-lo - no início do filme - totalmente em decomposição, até chegar - quase no final - à sua aparência inicial de fruta madura e saudável, acabada de colher. Tal fenómeno acontece devido à narrativa (se lhe podermos assim chamar) ser cronologicamente inversa. Quando o marmelo é colhido é-nos dado a conhecer o processo criativo que esteve na origem da sua inserção no filme, em um dos vários (e hilariantes)…

Popular reviews

More
  • I Was at Home, But...

    I Was at Home, But...

    ★★★★

    There is something to be said about the negative side of the legacy left by canonical directors like Bresson or Antonioni in the current panorama of european art house cinema. An empty and innocuous formalism that is often found in film festivals. Despite the inseparability between form and content, many of these directors/films use this formal approach in a cynical and cold way, hoping that the thematic depth will arise from a certain framing or camera movement. At first I…

  • Glass

    Glass

    ★★★★½

    Converti-me à Religião Shyamaliana há cerca de um mês com a visualização de A Vila e guiado por um nicho de críticos que valorizam a sua obra.

    O Luís Miguel Oliveira, crítico do jornal Público que respeito bastante, queixou-se recentemente da falta de autores no cinema de Hollywood (e não só), referindo-se à falta de um Hawks ou um Ford que servisse como guia aos restantes cineastas. Eu acredito que ele existe.

    Relembro que o Hitchcock (comparação que me parece…