Christofer has written 12 reviews for films during 2018.

  • Alcântara: Ghost Town

    Alcântara: Ghost Town

    ★★★★★

    Monumentos que decompõem o destino e a missão gloriosa do colonizador.

    Terra arrasada onde a glória já não se encontra e nem pode ser alcançada.

    Só resta neste mundo a intercessão silenciosa dos santos, resistindo ao movimento da natureza e das futuras ou finadas civilizações.

  • Cop

    Cop

    ★★★★★

    Porque todo agente age em vista de um bem, o mal não tem causa por si, no sen­ti­do que não está na intenção do agente. Pode ter ape­nas causas aci­den­tais, pode ser cau­sa­do tam­bém por um out­ro mal, con­sis­tente em uma defi­ciên­cia do agente. Toda causal­i­dade vai recon­duzi­da a um primeiro agente, que, como tal, é um bem. Isto é man­i­festo nas coisas nat­u­rais. O fogo, por ex., age para imprim­ir a própria for­ma nas coisas e é aci­den­tal pela…

  • Araby

    Araby

    Se um bastardo do Mike Hodges fosse apenas outro aidsvisualista acolhido no cativeiro.

  • Cannibal Holocaust

    Cannibal Holocaust

    ★★★★★

    Para mim, filme é entretenimento. Isso que é o cinema. É Rossetti mas também é Jacopetti e Mundo Cão. Eu gostei daquele filme pelas imagens e pela eloquência, mas o que eu não gostei foi uma cena onde alguns homens foram condenados à morte e seriam executados e [o diretor Gualtiero] Jacopetti pediu a eles para adiarem a execução, de modo que o pôr-do-sol tornaria o plano mais belo. Você sabe, combinado com a música. Eu fiquei perturbado pela técnica.…

  • The Happening

    The Happening

    Indivíduos atentam contra si mesmos, sua autoimolação é quase um ritual, momentos ainda mais assustadores porque são os únicos em que de fato há coesão na ação coletiva, onde todos buscam o mesmo objetivo e conseguem atingi-lo. O maior exemplo disso é a cena na rua congestionada: após o policial atirar em sua própria cabeça, vemos o restante da cena num plano detalhe da arma que usou, objeto que traz outras pessoas para o centro do quadro, liga elas ao…

  • Invasion of the Body Snatchers

    Invasion of the Body Snatchers

    ★★★★★

    Se há algo que os invasores de corpos desafiam é a ideia do monstro como uma entidade “impura”. Pois eles encarnam (e, de alguma forma, parodiam) exatamente o oposto: constituem a comunidade orgânica definitiva que eliminou toda e qualquer impureza externa, cujos membros individuais são partes descartáveis de uma unidade social imaculada. Ironicamente, porém, essa poderosa estratégia evolutiva que os pods desenvolveram vem com o evidente custo, a saber, a necessidade de uma espécie hospedeira que forneça a matriz de…

  • The Godfather

    The Godfather

    Arqueologia do mal #1: Onde está a luz?

    Apesar do Marlon Brando e da Diane Keaton, é uma puta reunião de axiomas americanos em 72. Lumet, apesar de não ser muito incisivo (como Coppola, mas nunca pior), teria a decência de não escondê-los o tempo todo, sendo preteridos por fusões de planos gerais que mal situam a ação. São cinco por transição. Do nada para o nada. Misericórdia.

  • Brasília 18%

    Brasília 18%

    ★★★★

    Brasília observada do céu, a imagem de um fantasma dirige um médico legista ao assédio, um inconveniente na chegada ao terreno da cidade. Olavo Bilac, o doutor, vem para entregar um laudo afirmando a identidade de um cadáver, Eugênia Câmara, jovem desaparecida depois de se envolver num escândalo com senadores e assessores parlamentares. Porém, “meu trabalho não é político”. O doutor, que dará uma identidade aos restos mortais, também realizou a autópsia de sua esposa, o fantasma. Toca a sinfonia…

  • The Barbarians

    The Barbarians

    ★★★★

    Every time I hear the word culture I start my prologue shooting a cemetery full of decapitated barbarians exposed to a dark smoke coming from the guts of earth through a red ND filter so the barren terrain bleeds and contaminates the air up to the sky while a bunch of so called artists cross a lonely road claiming their rights toward certain death. Accompanying Pino Donaggio's sonic synthesis of feverish insomnia. Polyphonic tides of the apocalypse.

    - Ruggero Deodato in one of his Cannon Group adventures.

  • The Phonograph

    The Phonograph

    ★★★★★

    Economic rationalism is so far removed from Catholic rationalism that it can arouse a specific Catholic anxiety. Modern technology easily becomes the servant of this or that want and need. In modern economy, a completely irrational consumption conforms to a totally rationalized production. A marvelously rational mechanism serves one or another demand, always with the same earnestness and precision, be it for a silk blouse or poison gas or anything whatsoever. Economic rationalism has accustomed itself to deal only with…

  • Wolves at the Door

    Wolves at the Door

    ★★★

    Curto e grosso como deveriam ser. Virtudes do ausente filme X, que no tempo da vulgaridade conservadora de um Get Out, da cacofonia brega de um IT, da completa falta de bom senso dos inventores da roda que não aprenderam a decupar qualquer ação dramática, de The Witch a Babadook, fazem toda a diferença. Não vi um filme no gênero desde 31 que, basicamente, se dá a liberdade de ser irresponsável, que não se contenta apontando o dedo ou, Deus…

  • The Glass Menagerie

    The Glass Menagerie

    ★★★★★

    Breves notas para uma cadeira de teatro:

    1. The Glass Menagerie, de 1987, é a terceira adaptação cinematográfica da primeira peça de sucesso de Tennessee Williams. É também o último trabalho de Paul Newman como diretor.

    Partindo de Williams, somos atirados às ruínas do apartamento dos Wingfield, nos fundos de um prédio abandonado por uma decadente classe média durante a depressão, “contexto social” que a narração solene de John Malkovich nos apresenta após invadir o espaço pela escada de incêndio,…