Fernando

Às vezes, acho que Sangue Negro é minha razão e Magnólia minha emoção.

Favorite films

Recent activity

All

Recent reviews

More
  • The Father

    The Father

    This review may contain spoilers. I can handle the truth.

    Meu Pai seria um roteiro escrito por Charlie Kaufman se o mesmo estivesse ligado no 110v.

    Além do texto, a narrativa é conduzida de maneira tão fluida que eu fiquei curioso pra saber como se desenvolve a peça de teatro, já que esta não conta com o recurso da Montagem.

    Isso sem mencionar o uso fundamental de outras funções que ajudam a retratar a demência do protagonista e a nossa própria percepção da história: a Direção de Arte (ao mudar…

  • Promising Young Woman

    Promising Young Woman

    This review may contain spoilers. I can handle the truth.

    Muito se comentou acerca do roteiro e seu terceiro ato (principalmente, na temporada de premiações).

    Bom, acho que este traz alguns pontos interessantes: a inversão de um subgênero do Cinema Exploitation (já que descobrimos, logo no início, o método da protagonista e o destino de suas "vítimas"); as ações que não são explicadas imediatamente ao espectador e levam certo tempo para se resolverem; o retrato patético de situações que afetam a masculinidade (ao mostrar que qualquer atitude/posicionamento de uma mulher…

Popular reviews

More
  • The Man of the Sputnik

    The Man of the Sputnik

    Interessante como o filme não perdoa ninguém (nem Brigitte Bardot, parodiada aqui por uma estreante Norma Bengell).

    Seja nos comportamentos ("alta sociedade" brasileira), nas palavras/mensagens (política de boa vizinhança dos EUA) ou nas imagens (a garrafa de Coca-Cola no armário soviético).

    Tudo por meio de um tom caricatural e satírico, sob o viés da Guerra Fria e sua corrida espacial e armamentista, que anteciparia (bem) obras como Dr. Strangelove e Cupido Não Tem Bandeira.

    Aliás, falando em Billy Wilder, a…

  • Satantango

    Satantango

    "May I have a tango?"

    Impossível não lembrar dos longos e belíssimos planos contemplativos de Tarkovsky, com a leve diferença da Fotografia P&B por aqui, que rassalta bem o universo triste e particular de seus (poucos) habitantes.

    Ao mesmo tempo em que sua atmosfera melancólica só parece assegurar a falta de perspectiva do lugar e o fato deste sempre estar fadado ao abandono. Independente do ciclo.

    E são nos movimentos e recursos de câmera (travellings, gruas, zooms) que podemos observar,…