Toolbox Murders ★★★★½

Hooper parece se preocupar muito com uma abordagem extremamente direta do gênero (afinal, o filme é um slasher bem usual até certo ponto), mas, ao mesmo tempo, tendo um foco muito grande em explorar essa abordagem até seu limite. É praticamente uma experimentação da relação entre espaço e trama feita em um filme digno de direct-to-video, e funciona. A mudança de clima da carreira do Hooper - de uma imagem onírica nos anos 90 para um realismo cru aqui - serve perfeitamente pro isolamento e pra construção, praticamente estrutural, do prédio enquanto uma entidade do filme, que é o seu verdadeiro vilão. Ao mesmo tempo todo o arco da protagonista funciona muito bem, apesar de ser bem direta também, e ele cria uma dinâmica ótima entre os moradores do prédio. Aliás, em relação a tudo isso, o filme acaba parecendo uma resposta à moda auto-consciente no gênero da época: aqui, os fãs entusiastas estranhos são apenas isso, não há metalinguagem, não há piscadinha pro telespectador, só há a experiência e a atmosfera - os grandes pontos iniciais do cinema de Hooper, que aqui, mesmo sem a sua loucura usual, atinge um resultado maravilhoso.

Luiz Eduardo liked these reviews