Soul ★★★★★

Dorothea: Eu ouvi uma história sobre um peixe. Ele nada até um peixe mais velho e diz:
"Estou tentando encontrar essa coisa que eles chamam de oceano.
“O oceano?”, Diz o peixe mais velho, “é nisso que você está agora”. "Este?" diz o peixe mais novo: “Isto é água. O que eu quero é o oceano.”

Este é o primeiro filme que vi no ano, e acredito que não poderia ter escolhido algo melhor para iniciar um ano logo após momentos tão complicados. Soul 2020 dirigido por Pete Docter é de tamanha sensibilidade espiritual que se desprende das outras obras da Pixar, mas ainda possui a sua marca especialmente nas cenas referentes ao mundo físico e não à realidade cósmica e quântica da ida para a pós-vida e da pré-vida, que é a que mais está em evidência na história.

O enredo é simplesmente maravilhoso e a forma com que foi transformado em animação é de encher os olhos. Docter não mediu esforços para deixar a obra tão tocável como outros filmes dirigidos por ele como Up 2009 e Inside Out 2015. Contudo, arrisco a dizer que esta obra seja a mais sensível e bela dirigida pelo Docter.

A riqueza de detalhes, criação e estudo de personagens e a trilha sonora tornam a experiência cada vez mais imersiva e cativante. Há praticamente dois filmes dentro do mesmo. A forma, fotografia e trilha sonora mudam quando estamos no plano astral ou no plano terreno e isto deixa a obra cada vez mais interessante pois acompanhamos como um está interferindo no outro e como cada realidade se torna cativante ao seu modo.

Soul 2020 foi o primeiro filme da Pixar a ser lançado por uma plataforma de streaming e o primeiro do estúdio a ter um protagonista negro. Nota-se o apreço do diretor ao preencher a obra com elementos que fazem jus aos bairros de NY que são predominantemente compostos por negros e até mesmo o carinho e cuidado no desenvolvimento do protagonista Joe Gardner (dublado por Jamie Foxx) colocando até mesmo um dublador negro que ainda ajudou na construção do personagem.

Fugindo um pouco das cenas em que se passam na realidade física, temos uma mudança total quando as cenas se passam no plano astral como já citado. Todas as cenas neste segundo local são extremamente significativas e tocantes, desde a não aceitação com a morte à vontade de viver por ver que a vida na terra não é tão ruim como parece. Nesta perspectiva, temos as almas perdidas que às vezes perdem tanto o sabor de viver que esquecem de estarem de fatos vivos aproveitando cada momento desta experiência gigantesca que é aproveitar as mínimas coisas da vida.

Tudo que acontece no plano astral, interfere em nossa reação ao que acontece na realidade terrena e esta jogada do diretor é magnífica.

Soul 2020 é um filme que tocou meu coração de forma que eu não esperava e além de tudo possui uma grande qualidade de produção e patrimônio cultual. Espero sinceramente que as pessoas deem a atenção devida a esta história, pois eu acredito que histórias assim podem mudar vidas.