The Killing of a Sacred Deer ★★★★½

"A surgeon never kills a patient. An anaesthesiologist can kill a patient, but a surgeon never can."

Yorgos Lanthimos fê-lo outravez: chocou-nos, espantou-nos, apaixonou-nos pela sétima arte mais do que nunca.

O realizador de "The Lobster" (2015) voltou a dar asas à sua imaginação, ao seu mundo fictício, que muitos categorizam como "estranho", um mundo realmente único, que percebemos que faz parte da mente e dos sonhos deste "jovem" realizador.

Em "The Killing of a Sacred Deer" Yorgos dá-nos um elenco de luxo: Colin Farrell, Nicole Kidman e Barry Keoghan (um jovem ator que teve lugar também em 'Dunkirk'). Estes 3 atores, juntamente das suas personagens, criam uma história inesquecível, fria, tensa...psicológica.

Mas sobre o que é ao certo esta futura obra de culto cinematográfica (na minha sincera opinião) ? Cada um pode reter o que quiser, interpretar o que quiser, pois o filme dá essa opção, mas, para mim, a tragédia prevalece sobre todos os outros temas possíveis. Tragédia é algo não tão visto ou representado hoje em dia no cinema, mas quando aparece muitas vezes não é bem o que se espera, fica sempre mais perto de ser considerado suspense, ou de uma forma "hardcore", terror...mas agora temos Yorgos, um realizador que não tem medo de apresentar uma tragédia, que não tem medo que lhe chamem "estranho"...aliás, ele não quer saber, ele não se quer integrar, ele quer ser o que é, fazer o que faz, e nós, amantes de cinema, parecemos gostar disso.

"The Killing of a Sacred Deer" é uma história linda, no sentido em que está bem realizada, bem escrita e bem filmada em níveis de termos cinematográficos.

Nada acontece por acaso neste filme, o enredo decorre lentamente, deixando o espectador sempre tenso, pois, o ambiente cinematográfico, parece ter sempre algo no ar que de repente nos vai sugar para dentro daquele mundo, onde, sinceramente, não queremos estar.

Para além desta obra dar uma experiência cinematográfica impressionante, o que me fez apaixonar ainda mais pelo que estava a ver no ecrã foi a cinematografia de Thimios Bakatakis
("The Lobster", "Dogtooth"), em que cada frame, cada plano trazia algo tão único, tão realista, que tornava todo aquele mundo "estranho" de Yorgos, bonito.

Por muitos vai ser considerado um suspense, thriller..mas penso que definir esta obra em duas categorias não faz sentido - é impossível de categorizar, é diferente, é Yorgos Lanthimos, é uma metáfora da mente humana.

P.S - mais aqui: septimaes.wordpress.com/2018/01/06/the-killing-of-a-sacred-deer-existe-pesadelo-maior-que-a-mente-humana/

João liked these reviews

All