Favorite films

  • Histoire(s) du cinéma
  • House
  • Vengeance Is Mine
  • jeen-yuhs: A Kanye Trilogy

Recent activity

All
  • Kramer vs. Kramer

    ★★★½

  • The Black Dahlia

    ★★★★

  • Bullet in the Head

    ★★½

  • Imitation of Life

    ★★★

Recent reviews

More
  • The Black Dahlia

    The Black Dahlia

    ★★★★

    Acho que pouca gente associa tão bem a carnalidade mundana e materialista com o mistério metafísico e existencialmente confuso do Noir.

    Seis décadas depois de THE BIG SLEEP nos prender num labirinto mental com a aparência de um drama clássico e uma década antes de UNDER THE SILVER LAKE tornar a confusão o próprio objeto de uma investigação em si palatável, BLACK DHALIA nos envolve pelas emoções que escapam em cada mal entendido e em cada mínima resolução. Como muito…

  • The Murdered House

    The Murdered House

    ★★★

    Acho bem longe de ser obra-prima toda, mas a forma como ele consegue misturar os extremos de uma tradição "covarde" e uma perspectiva revolucionária na imagem e no drama em si me atrairam muito. Parece que "a beleza salvará o mundo" ao mesmo tempo que toda a salvação está perdida. A ideia de um desejo frustrado permeia esse marasmo do palácio interiorano. Timóteo talvez seja o verdadeiro protagonista, porque carrega em si toda a contradição, o cansaço e a depravação…

Popular reviews

More
  • Green Vinyl

    Green Vinyl

    ★★★★★

    Um filme sobre o pesadelo do amadurecimento. Para as filhas se tornarem mães, elas devem matar suas mães. E para que suas filhas, um dia, se tornem mães também, elas vão ser mortas. E, de geração em geração, as aflições se perpetuam. O disquinho verde vai sendo herdado, as ordens vão sendo desobedecidas, a partir disso vem o amadurecimento e, daí, um novo ciclo. Não é uma visão moral, mas um retrato da tristeza inerente à vida; à prisão a…

  • Where Is the Friend's House?

    Where Is the Friend's House?

    ★★★★★

    This review may contain spoilers. I can handle the truth.

    Uma das vantagens de assistir filme sozinho é poder comemorar ao estilo Dwight Schrute no final. Tô com os braços todos doloridos de dar soco no ar. Que filme fantástico!

    O estilo meio documental do Kiarostami tá perfeito. Eu senti uma vibe meio Rosselini aqui (embora o Kiarostami seja bem mais radical): as situações dramáticas tendem a ter um objetivo meio lírico e fabular, como certos encontros do garoto no caminho e, especialmente, a ênfase nessa diferença entre a criança…