Favorite films

Recent activity

All

Recent reviews

More
  • Father of My Children

    Father of My Children

    ★½

    Imagina mirar em Ozu, Bergman e Michael Mann (diluição progressiva da narrativa como consequência do afinamento dos procedimentos de montagem e filmagem por todo o filme) e acertar em Sautet, Jacquot e Assayas (roteirismo mon amour, as in "vagas abertas para programa de residência de roteiro em Amsterdã").

    E seguir fazendo disso uma carreira (a autora, no caso autora da autoria dos outros - Sautet aqui, Bergman acolá, com uma pitada de "estilização" manniana, ou assim ela pensa quando pede…

  • After the Rehearsal

    After the Rehearsal

    ★★★★

    Uma boa tarde, um bom domingo para os aprendizes cinéfilos e os estagiários da crítica que passaram os últimos 5, 10, 15 anos (gerações diferentes, cacoetes de "cultura cinematográfica" idênticos) se fiando em um ou dois textos dos anos 1970 em que Daney fazia críticas ásperas ao Bergman para legitimar suas opiniões incrivelmente banais, curtas, reducionistas, caipiras ("ai, não me faz bem ver a dor de personagens progredindo num universo moral-existencial-político nebuloso, oblíquo e não edificante, ui ui ui", a…

Popular reviews

More
  • Parasite

    Parasite

    Como disse um amigo: administração cultural da miséria e do desalento.

    Ninguém vai colocar a questão de como podem ser políticos esses "filmes políticos" que tratam seus espectadores exatamente como o liberalismo trata sua mão-de-obra e seus consumidores? As pessoas esqueceram a esse ponto do que já foi feito por Lubitsch, Fuller, Lang, Buñuel, Fassbinder, Ferreri, Straub em contextos ainda mais extremos, com soluções muito mais sofisticadas? A financeirização das mídias (Netflix, Festival de Cannes, transmissão do Oscar etc.) é…

  • Once Upon a Time… in Hollywood

    Once Upon a Time… in Hollywood

    ★★★½

    This review may contain spoilers. I can handle the truth.

    Mais coisas a se dizer sobre o filme, mas no momento fica o seguinte:

    em Basterds, Django e 8 a ficção apontava o tempo todo para aquilo que não era a ficção, para uma exterioridade que os filmes, pela maneira limitada como entendiam (assimilavam, absorviam) essa exterioridade, tentavam sanear, redimir das suas máculas, dos seus fantasmas (fantasmas do nazismo, da escravidão etc.; esse sistema entra um pouco em pane nos 8, em função da personagem da Jennifer Jason Leigh, não…