Samir Gid

Escrever, filmar, escrever, filmar, filmar, escrever.

Favorite films

Recent activity

All

Recent reviews

More
  • The Inauguration of the Pleasure Dome

    The Inauguration of the Pleasure Dome

    ★★★★

    A junção mitológica é também uma junção cosmológica. E isto é uma tradição mágica. Shiva, Isis, Pan etc. juntos, ao vivo e a cores. É ao menos o que o ocultimo diz, Anger também quando trabalha sobreposições. Não há cortes, apenas a mudança de composição. Dentro do domo tudo existe, sempre existiu e sempre existirá.

  • Lucifer Rising

    Lucifer Rising

    ★★★½

    Daqueles que queria ver no cinema, ou então projetado em um prédio - aliás, deveria. Um filme que cresce com o tempo, cuja experimentação é a própria proposta de ascensão de tudo que o envolve. Lucifer Rising merece o mundo, mais ar pra respirar. Imagino a jaqueta LUCIFER no IMAX, na Times Square etc.

    É apoiado em nossa ciência e moda - também em sua combinação, como um disco voador ou uma câmera, que o oculto se glorifica.

    No fim, deixa todo mundo sem palavras.

Popular reviews

More
  • Saturday

    Saturday

    ★★★★

    O costume é achar que os cronistas são menores. Giorgetti é cronista, cronista dos tempos de Brasil que achamos mornos. A verdade é que o tempo estava para filmes como Sábado (1995).

    Todas as cartas estão na mesa, não se explica nada. No entanto, o único defeito do filme é ser óbvio em muitos momentos. O trunfo é criar, quase em silêncio, a colisão da crônica, da peça e do cinema.

    um pouco mais em:
    111coletivo.wixsite.com/arte/post/cr%C3%ADtica-de-s%C3%A1bado-1995

  • Nainsukh

    Nainsukh

    ★★★½

    Não entendo toda a exaltação ao redor do filme. Dutta absorve toda a cinematografia de Parajanov para trocar os murais pelo papel. Mas diria, sim, que ele é feliz no longa. Alguns de seus elementos autorais, como uma história em dois atos, o diálogo entre o real e o virtual ganham mais corpo nos pequenos intervalos de deformação ótica, ou melhor, quando ouvimos o narguile. Amit Dutta faz com a câmera sua própria expressão, também detalhista, da realidade e dos pequenos instantes.